6 de julho de 2014

A culpa é das estrelas - O filme

A culpa é das estrelas (2014)
Dirigido por Josh Boone

A culpa é das estrelas (The fault in our stars título original) é uma adaptação do livro homônimo de John Green. Se você não leu A culpa é das estrelas ou viu o filme em questão o texto a seguir pode conter em spoilers.


Imaginei todo mundo diferente

Acho muito complicado ler um livro e ver o filme e achar os personagens parecidos com o que você imaginou (exceto Harry Potter que foram arrancados da minha mente). Mas eu achei essa atriz particularmente muito diferente do que eu imaginava Hazel. Como eu já tive experiência de conviver com pessoas com essa doença eu sei o quanto a pessoa pode ficar debilitada, e o quanto isso pode afetá-la fisicamente. Confesso que a maquiagem era muito boa, a atuação das cenas de mal estar também, mas ainda assim ela estava muito gordinha e muito saudável para alguém que lida com câncer há tantos anos. Lógico que isso seria difícil de retratar sem qualquer falha, mas ainda acho que a atriz não tinha um porte físico adequado. Acho que ela é muito alta e muita velha para a imagem que John Green constrói de Hazel. Isaac também não era como eu imaginava, achava que ele seria um cara fofinho e loiro... fiquei até em dúvida quando vi o filme porque as vezes eu imagino coisas que nem no livro estão, mas via ele loiro em todas as fanarts e pensei que não era coisa da minha cabeça! Confesso que imaginava Gus diferente também, mas ele foi tão charmoso durante o filme que fui conquistada, falo sobre ele no próximo tópico.
Só para finalizar, achei essa imagem no Google super fofa, muito mais perto da minha imagem da Hazel. Acontece que eu não sei de quem é para das os créditos, no nome do arquivo tem apenas “by drnightflower”, se alguém souber me avise que passo os créditos certinho aqui.


Gus, vulgo Augustus Waters

Esse ator não me conquistou de cara, a primeira vez que o vi atuando foi de passagem no filme Divergente e sinceramente, ele não se destacou muito, por isso eu não esperava muito dele e achei que ele não seria um bom Gus. O Gus da minha cabeça tinha um rosto mais fino, mais quadrado, um cabelo mais escuro, olhos maiores. Para mim, na maior parte do tempo, esse ator tem uma cara de abobalhado (como na foto acima). Acontece que vendo o filme ele me conquistou, ele me ganhou, ele se tornou Gus. Aquele cara espontâneo, divertido, cativante. Mordi minha língua (principalmente depois da cena em que a Hazel tira a camisa dele e vemos aquele tanquinho escultural).


Referências curiosas

Já que estou falando sobre os personagens vou começar falando sobre algumas curiosidades que descobri sobre o nome deles. Hazel refere-se a uma cor de transição e John Green achou que seria adequado já que Hazel está em uma fase entre a infância e a vida adulta, entre estar saudável e estar doente, estar bem e sofrer recaídas. Acho que foi uma escolha boa. Augustus é o nome de imperadores romanos, que seria uma associação a grandeza do personagem, já seu apelido Gus é um nome mais curto, mais fofo, mais pessoal. Ele faria referência a esse personagem que começa tão grande e poderoso, mas que se torna vulnerável diante das adversidades que vive.Também descobri que o livro faz várias referências a outras obras. Por exemplo, a frase “Eu me apaixonei da mesma maneira que a gente cai no sono: devagar, e então de uma vez só”, foi inspirada em uma frase de Hemingway que diz: “Como é que você vai à falência? Duas maneiras: Aos poucos, então, de repente”. Até o próprio título é uma referência a uma citação da peça Julio Cesar de William Shakespeare: "The fault, dear Brutus, is not in our stars, but in ourselves...", que em significa "A culpa, querido Brutus, não está nas nossas estrelas, mas em nós mesmos...".


All blue

Eu vi um comentário em um blog, antes de assistir ao filme, que dizia que em todas as cenas haveria algo da cor azul em referência a capa do livro. Eu estava muito concentrada no filme, mas hora ou outra eu me lembra desse comentário e percebia que realmente sempre havia algo azul: uma blusa, o cordão do capuz, o vestido, a parede, algum objeto ao fundo. Achei essa uma curiosidade super bacana e decidi compartilhar com vocês.


A culpa é do John Green

John Green pode ter colocado a culpa nas estrelas, mas acredito que a culpa é dele por ter escrito um livro tão bom, que tenha conquistado tantos fãs. Mesmo quem não conhece o livro, mas viu o filme foi conquistado por este. Acontece que há uma probabilidade muito grande que esses fãs loucos tenham roubado o banco onde Gus e Hazel se beijaram em Amsterdã. Vi uma notícia de que muitos turistas perguntavam onde era o lugar, provavelmente para tirar fotos, mas alguém se empolgou e quis o banco para si. A dica é fica atento para ver se acha o banco no e-bay, mas aposto que quem pegou pretende ficar com ele para si.


Aperta o play para chorar

Eu não ouvi todas as músicas que compõem a trilha sonora do filme, mas a que eu ouvi me conquistou. Eu ouvi pela primeira vez a música “All of the stars” antes do filme e achei encantador, mas depois de ter visto o filme ela me pareceu ainda mais significativa. É aquela música que puxa as cenas da sua memória e te deixa emocionada ao ouvir. Se quiser conferir as outras músicas da trilha sonora do filme você pode ver a lista completa aqui.


Corta!

John Green foi literalmente cortado do seu filme. Ele decidiu fazer uma pequena participação no seu filme (lembro que a Stephenie Meyer fez a mesma coisa em Crepúsculo) no qual ele interpreta o pai de uma garotinha no aeroporto indo para Amsterdã que pergunta a Hazel sobre a cânula que ela usa. Há essa cena no livro, mas o ritmo do filme é diferente e ela teria sido cortada por fazer uma pausa desnecessária nesse. Li as declarações do John Green sobre esse fato e ri muito, ele fala que a cena não foi cortada por ele ser um péssimo ator, o que ele de afirma que de fato foi, e que é muito hilário ser cortado da adaptação do seu próprio livro! Se eu fosse ele teria tentando aparecer como figurante, nem que fosse passando ali no fundo!


Oi, meu nome é Hazel.

Sabe o grupo de apoio que a Hazel frequenta e onde conhece nosso querido Gus? Bem, tenho duas curiosidades interessantes sobre esse grupo. A primeira é que é uma das cenas prediletas de John, pelo menos ele declarou que foram os momentos mais legais que ele viu ganhando vida. A segunda curiosidade é que os adolescentes que participam desse grupo estão de fato lutando contra o câncer na vida real.


Balanço final

Esse post acabou sendo mais de curiosidades do que críticas, por que apesar de não ter gostado tanto da escolha de todos os atores, o filme foi muito bom. Contudo, eu tive uma experiência diferente com cada uma das obras. O livro me tocou profundamente, eu chorei lendo esse livro como nunca chorei lendo qualquer outro, isso porque eu já sofri com a perda de alguém querido por essa doença. Quando eu li esse livro me envolvi muito com o sentimento de perda e me lembrei de como sofri e como foi triste perder o meu pai para o câncer. Contudo, dois anos depois de ter lido o livro, ao assistir esse filme em outro momento da minha vida, e de percebê-lo com outros olhos e em outra profundidade eu me envolvi de uma forma diferente. Eu assisti ao filme e não sofri tanto pela dor do câncer, mas pela separação do casal, do fim do romance. Acho que até por isso eu não chorei, em alguns momentos fiquei com os olhos marejados, mas não chorei de fato em momento algum. Na verdade, me vi rindo a maior parte do tempo, o discurso de Gus ao jogar ovos na casa da ex do Isaac foi o melhor: "Sua filha cometeu uma grande injustiça, então viemos nos vingar. Temos cinco pernas, quatro olhos e dois pulmões e meio em funcionamento, mas temos também duas dúzias de ovos. Se eu fosse a senhora, voltaria para dentro de casa."


Gente, em minhas pesquisas por imagem eu achei isso, a “versão gay” do pôster A culpa é das estrelas, ri horrores! Esse pessoal deve ter se divertido um monte gravando esse filme, vocês não acham?

3 comentários:

  1. Eu fiquei imensamente apaixonada pelo Gus no momento em que li o livro, e achei muito bacana que o ator que interpreta o papel dele no filme, realmente fez com que essa paixão continuasse mais acessa do que nunca. Na minha opinião foi uma adaptação linda e apaixonante, não consegui por defeito algum. Quanto ao seu post eu gostei muito das curiosidades, algumas (como por exemplo os jovens com câncer de verdade) eu não conhecia. Adorei <3

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ai meu Deus, finalmente estou indo assistir hoje o filme, mas li algumas curiosidades suas miga e tadinho do John Green ter sido cortado, teria sido tão interessante ele fazendo essa ponta no filme, mas deve ter nos extas de dvd né? Mas a declaração dele foi muito engraçada mesmo hahaha

    Pri ;*
    http://closettgarden.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi,
    Chorei lendo o livro, mas não vendo o filme achei que tinha sido a única rsrs. Mas não tenho nenhuma crítica pra mim foi uma adaptação perfeito. E o ator que faz o Gus me conquistou totalmente.
    Seu post ficou muito legal, tem coisas que eu não sabia.

    Beijos, Letycia.

    ResponderExcluir