13 de dezembro de 2012

O segundo verão da Irmandade

[muito bom]

Eu recomendo: O segundo verão da Irmandade
Autora: Ann Brashares
Editora: Rocco

A Irmandade das calças viajantes:
O segundo verão da Irmandade é o segundo livro dessa série, se você não leu o primeiro livro A Irmandade das Calças Viajantes, o texto a seguir pode conter spoilers.

Sinopse:
Mais um verão chegou, Tibby está indo para a escola de cinema onde vai arriscar suas verdadeiras amizades para parecer descolada com alguns novos colegas, Bee vai para a cidade atrás da sua vó, que tentou manter contato com ela e seu irmão após a morte da mãe, mas que o pai afastou, Lena e Carmen vão ficar na cidade, Lena trabalhando em uma loja e sofrendo por ter terminado com Kostos e Carmen trabalhando de babá enquanto se esforçar para sua mãe terminar com o novo namorado. Cada uma irá passar por novas provações nesse verão, tentando concertar erros do passado e cometendo novos erros.

Meu cantinho:
Assim que acabei de ler o primeiro livro da Irmandade corri para pegar o segundo livro da prateleira, li rapidamente em algumas horas e preciso dizer que me decepcionei com o comportamento das meninas, o livro é muito bom, mas elas apenas regrediram.
Começo com a personagem que mais odiei no livro que foi Carmen, no livro passado ela foi realmente uma pentelha, perturbava Paul que não fazia nada para ela apenas por provocação e acabou saindo daquela forma da casa do pai. Não acho que jogar pedras na janela é o mais adequado, mas a conversa dela com o pai no final do livro realmente me comoveu e eu entendi as motivações dela. Acontece que nesse livro ela começa a ser completamente estúpida com a mãe, a mãe dela começa a sair com um colega de trabalho e ela fica com raiva porque é a mãe falando do encontro e não ela, porque ela quer que a mãe viva apenas por ela, que fiquei isolada, que seja feliz com Carmen e não com outra pessoa, que sinta a falta dela quando ela for para a faculdade. Ela é extremamente insensível, ela não é capaz de aceitar que as pessoas possam ser felizes além da convivência com ela, ela quer que a mãe e as amigas atendam todas as suas necessidades, ela manda e-mails para Paul sempre pedindo conselhos, ela liga a todo o momento para Lena no trabalho sem se importar o quanto isso vai atrapalhar a amiga. No final ela considera seriamente em separar a amiga de Paul, pois acredita que ele olhou para ela de um modo diferente e que assim ele não escutaria mais todas suas lamúrias e que Lena se afastaria do grupo. Ela ainda tem a capacidade de falar que não consegue um namorado, que não é para o amor porque ama demais, por favor, ela não ama demais, ela é incapaz de amar, de pensar no bem estar do outro, ela é egoísta, ela quer que a felicidade do outro dependa só dela, ela separa a pessoa de outras que podem lhe fazer bem para ter exclusividade naquele relacionamento. Ela não é para o amor porque ela não sabe amar.
Lena que havia feito um grande progresso se aproximando de Kostos acabou estragando tudo, ela fica assustada com o sentimento de gostar tanto e não pode estar próximo dele que começa a agir friamente e termina o namoro que estava acontecendo através de cartas. Kostos vai atrás dela nos Estados Unidos, ela leva muito tempo mas percebe que quer estar com ele, entretanto, ele se vê obrigado a voltar para a Grécia e impedido de continuar namorando Lena. Ela acabou agindo de maneira estúpida e apesar da irresponsabilidade dele, o grande mau foi gerado pela decisão dela de terminar. Quando uma situação trágica acontece na família de Lena e ela se vê obrigada a ir para a Grécia preciso dizer que senti certa repulsa dela por ficar em um momento de luto, de uma pessoa que ela dizia ser sua alma gêmea na família, apenas pensando em Kostos.
Bee simplesmente largou o futebol que amava, começou a engordar, pintou o cabelo e ficou escondida atrás dessa nova máscara, ela descobre cartas de sua avó materna que o pai escondia e ela decide ir atrás dessa avó em cidade, e começa a conviver com a avó usando o pseudônimo de Gilda e trabalhando para ela na organização da casa. Ela passa por diversos momentos difíceis, lembrando o passado da mãe que morreu. Apesar dela se esconder muito e de ainda ter diversas atitudes infantis ela é a que faz menos besteiras nesse livro todo.
Tibby está indo para um curso de férias estudar cinema, lá ela comete um monte de erros, desvaloriza a família, faz chacota da mãe, faz amizade com o pessoal deslocado que apenas fala mal de outras pessoas e mantém um posse de sei de tudo. Ela quase perde amizade de pessoas verdadeiras como Brian por sentir vergonha de andar com um nerd.
Preciso dizer que as calças que era o elo das meninas, apesar de continuar circulando com cartas (no livro passada as cartas eram minúsculas e elas estavam a quilômetros de distâncias, agora que estão perto uma da outra escrevem cartas longas, vai entender!), a calça vai perdendo o foco, ela não possui mais com aquela magia toda, não parece mais ser ela a solução de tudo. Acho que as meninas acabam passando por situações difíceis que adultos precisam enfrentar e essa parte da magia está ficando de lado.

Continuação: 
[Atualizado] O próximo livro dessa série é Meninas de Calças. Você poder ler a resenha dele clicando aqui.

2 comentários:

  1. te seguindo flor!
    vem retribuir,pinkbjs
    http://pinkbelezura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ha, sua caixinha de correio foi linda mesmo *_* A culpa e´das estrelas é demais!

    ResponderExcluir